Quem sou eu

Minha foto
Jornalista e músico por amor a ambos os ofícios, mantenho esse espaço sem fins lucrativos para divulgar a cena local, seja com a participação de banda locais, seja com a bandas nacionais.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Teste de Equipamento - Violão Tagima Juninho Afram Signature Series


          Recentemente um amigo me pediu para acompanha-lo a uma loja de equipamentos musicais da nossa cidade, onde ele iria comprar um bom violão por um preço justo. Ele queria um violão com cordas de aço em formato dreadnougth, conhecido no Brasil como Folk, na faixa de R$ 1.500,00. Isso era o suficiente para cair em campo em busca do instrumento perfeito. Foi quando nos deparamos com a linha assinatura da Tagima. Violões que caso fossem do catalogo de empresas importadas (Americanas por exemplo), custariam, pelo menos, 3 vezes mais.

          Na loja encontramos 3 modelos distintos, feito para três grandes guitarristas. O Junhinho Afram, o Kiko Loureiro e o Edu Ardanuy, todos da linha Signature Series. Pela faixa de preços eles ainda são mais baratos que a maioria dos concorrentes, uma economia de quase R$ 200,00, sem levar em consideração que os violões são acompanhados por um case super elegante, reverstido por corvin, com uma alça super confortável, e no interior uma bonita pelúcia roxa, ao melhor estilo Gibson. Após o teste de violões de várias marcas, ficou decidido que o sonho era o violão Tagima Juninho Afram Signature Series.

Construção

          Com tampo confeccionado em Spruce sólido em duas partes, faixa e fundo em Zebra Wood,  braço em Cedro com formato em "C" e escala e cavalete feito de Rosewood, a Tagima mostrou que os Luthiers tem acertado na escolha dos materias. Gerando um som acústico equilibrado, com punch e brilho na medida certa, agradando a músicos dos mais diversos estilos e pegadas. As tarrachas, de fabricação própria, seguram bem a afinação. O violão veio ajustado com uma ação média alta, mas não era possível alterar a altura das cordas pois a construção do cavalete estava um pouco alta, sendo necessário um ajuste de set-up, feito por um luthier de confiança. Após o ajuste a ação ficou super confortável, deixando-o perfeito. O tensor do braço estava funcionando a contento e mateve o braço bem reto.

         Equipado com um pré-amplificador embutido Fishman Aero Blend, que conta com um captador piezo, instalado sob o rastilho e um microfone no próprio pré, torna este violão uma grande surpresa, que o mantém infinitamente superior aos seus concorrentes, apesar de ser mais barato, uma ótima opção para o consumidor. Seus concorrentes na mesma faixa de preços, mesmo equipados também com Fishmam, não contam com o microfone. Ligado a surpresa é ainda maior! Os timbres que conseguimos, vão desde um som de piezo a um timbre macio de violão microfonado, e a possibilidade de conseguir timbres diferentes apenas msiturando as formas de captação tornam este instrumento uma ótima opção para músicos da noite, é apenas um violão com vários sons.

          Sem dúvidas, este violão pode ser usado em palcos enormes, pelos melhores músicos e produzir os melhores timbres, a um custo razoável, e de igual para igual com as marcas mais famosas e caras.

          Música acessível para todos! Viva a MPB (Música Para Baixar)!

18 comentários:

Pedro Fortes disse...

EU AINDA POSTARIA MUITO MAIS QUALIDADES SOBRE ESSE EQUIPAMENTO RSRSRS NÃO É A TOA QUE EU SOU O AMIGO QUE O ADQUIRIU RSRS.
PARABÉNS PELO POSTE
EM BREVE IREMOS COMPRAR OUTROS EQUIPAMENTOS E FAZER NOVOS TESTES.

ABRAÇO.

Osly disse...

testei esse violão hoje, fiquei impressionado.

Alexandre Reis disse...

Li este teste e pensei, jamais compraria um violão Tagima (preconceituoso né?), justamente quando estava procurando uma nova viola. Fui até à loja de um amigo, onde já namorava um CPX900 Yamaha, quando ele disse, já testou esse Tagima? Achei apenas uma coincidência e não dei muita bola, mas ele insistiu, disse que apesar do Yamaha ser mais caro, a margem que tinha era praticamente a mesma, e que ele não me deixaria sair sem testá-lo. Comparou a construção dos dois violões, apresentando as vantagens do Tagima e isso me convenceu a abraçá-lo para tirar uns acordes. Testei acústico e gostei, fiz o mesmo teste com o CPX e fiquei ainda mais impressionado. Pluguei o bichinho e repeti os testes. A essa altura já estava trocando as cordas por cordas Elixir, pois não gostei muito das originais e, ao final, estava totalmente impressionado. Levei esse bicho pra casa e estou muito satisfeito com a compra, além do efeciente pré Fishman e, claro, do belíssimo case, só nele economizei um bom trocado.
Parabéns pelo teste e obrigado Erik.

Anatole disse...

No último dia 30 entrei numa loja só para olhar... Quando vi (e testei) esse violão fiquei louco! hehe
Levei na hora. Estou adorando. =)

O meu veio reguladíssimo, nunca tive um violao com cordas tão baixas, tão leve e sem trastejar.

Deixou um Ibanez que testei no mesmo dia "no chinelo" e achei muito mais confortável que um Takamine que custava quase o dobro do preço.

Gustavo Hernandez disse...

Quando li este teste já havia adquirido o meu, e sendo dono de um desses, resolvi deixar meu comentário de como este violão me impressionou. Dispensei um Takamine por ele. Aliás, acho eles ruins, principalmente no quesito confortabilidade. Sou músico e professor e já peguei na mão Takamines de R$ 4.000,00. Na boa, Tagima Juninho Afram bate bonito neles, mas bonito mesmo. O único problema é que, de tanta acústica que tem, devido ao tampo maciço, foi necessário colocar umas espumas dentro dele pra dar uma "calibrada" para eliminar a microfonia quando plugado, que insistia em persistir mesmo colocando o tampão. Quem quiser comprar, pode mandar ver. Só tendo um pra saber. Abraço ao pessoal do blog e sucesso!!!

Gustavo Hernandez disse...

Ahhh, esqueci de falar no comentário anterior. Como nenhum vendedor soube ao certo me informar o que realmente está escrito no braço do violão, mandei um e-mail pro pessoal da Tagima e outro pro Juninho Afram, e esta foi a resposta da Karen Nakandakare, diretora de marketing:

" Olá Gustavo,
Primeiramente nós que o parabenizamos pela aquisição! Muito som p/vc.
No violão está escrito: Deus é a minha salvação.

* Deixe seu end para enviarmos um DVD tagima".

Não me enviaram o DVD mas enviaram uma camiseta e inclusive depois também recebi a resposta do próprio Juninho Afram (o qual não vou reproduzir aqui porque foi meio extenso e já falei demais ) dizendo o mesmo sobre a escrita no braço. Além de tudo a Tagima está muito atenciosa com seus clientes.
Mais uma vez, abraço a todos!!!

André Oliveira disse...

Assim como alguns aí em cima, troquei um Takamine por esse violão, não tenho dúvida de que fiz um bom negócio. Isso demonstra que, assim como com as pessoas, os instrumentos musicais também devem ser tratados sem preconceitos; se não fosse a insistência do vendedor hoje eu não teria uma obra de arte em minhas mãos.

Anônimo disse...

Opa...galera...Acabei de adquirir o meu Tagima Juninho... sem comentários...O violão é show de bolo, o som é perfeito e realmente o case é fantástico. Sempre tive violão TAGIMA, mas estava decidido a mudar de marca até que fui apresentado a esse violão. E ai, não deu outro....Comprei...(uhu)...

Além do mais de saber que foi assinado por um dos melhores guitarristas...

Parabéns aos Fãs da TAGIMA....

Abs.
Rodrigo Winter

Elvis disse...

vou comprar um violão desse por 650,00 eu estou fazendo um bom negócio??? pois conheço uma pessoa que trabalha la dentro e vao me vender por esse preço ki seria o de fabrica .. eu tenhu um tagima kansas esse signature comparado ao kansas seria kuantas vezes melhor??

Anônimo disse...

Bom Pessoal. Eu Sou batera e a pouco anos comecei a tocar violão. Toquei em alguns Takamine e num Yamaha. Mas como musico é musico, o som quando é bom ou ruim a gente sabe. Esse Tagima é impressionante. E como foi postado. A qualidade do case, a afinação e maderamento usado o tornam muito atrativo até mesmo pelo preço.

carlos augusto disse...

comprei hoje e espero gostar tanto quanto voçes valeu

Anônimo disse...

Tenho um Juninho Afram também, excelente o som!
Gostaria de saber qual anti feedback você usou pra não dar microfonia? Qual a marca e modelo do "tampão"?

Anônimo disse...

Acabei de adquirir um Tagima Juninho Afram. Toquei nele apenas dois dias e realmente tem um ótimo som. Após tocar mais nele é que senti meus dedos doendo e percebi que estava tendo que apertar demais as cordas. Aproveito para perguntar para vcs como faço para ficar mais macio?? Qual tipo de corda usar?? Será que diminuindo a tensão das cordas ficará melhor para dedilhar?

Tive muitas dúvidas se ficava com este ou com o Crafter Lite DE. O Crafter tem um som mais encorpado que me agradou muito, tanto plugado quanto desplugado. Estou pensando se troco o Afram por este Crafter. (Em termos de preço é o mesmo com a case).

Muito bom este blog!!

Anônimo disse...

comprei um há uma semana estou maravilhado em nada deixa a desejar o das grandes marcas, muitos ainda ñ perceberam q os tagimas estão ficando cada vez melhores e competitivos...

Anônimo disse...

Olá Erik, tudo bom? Vc saberia me dizer se este violão quanto ao questão de tocabilidade e conforto no braço seria melhor do que o Yamaha mod. CPX700?

Douglas Wudarski disse...

Olá pessoal, acho que foi apenas eu que não tive uma boa impressão desse violão, eu toco com um desses a muito tempo, e acho ele muito desconfortável, as cordas muito duras, não sei se é apenas regulagem, ele é muito agudo e médio, o grave dele é muito artificial, e como alguém disse ai em cima, a microfonia dele é muito forte, mesmo com o mic dele desligado, talvez esse violão não veio legal, ou falta uma boa regulagem em um luthier!

Samuel Gouveia disse...

Galera,alguem sabe me diser se esse violao do juninho afram é melhor que o violao FENDER CD-60CE?????

Samuel Gouveia disse...

POR FAVOR ME RESPONDAM